15 setembro 2006

«Defender a fé com a violência é irracional» II


Parecem-me exageradas estas reacções. O discurso do Papa em Ratisbona condena o fundamentalismo religioso e as motivações religiosas da violência; não é o mesmo que insultar o Islão e o Profeta Maomé e ferir os sentimentos de todo o mundo muçulmano (o que seria de rejeitar). Este discurso cabe ao crente moderado de qualquer religião, sem que implique desrespeito pelas demais.

3 comentários:

O Politicopata disse...

Sim senhor! Já vos descobri e gosto do vosso Blog! Vou adicioná-lo

Anónimo disse...

É pena que os pormenores possam, tantas vezes, ser empolgados e manipulados e que perante um discurso sobre muitos dos temas que deveriam preocupar hoje a humanidade, apenas ressalte uma polémica sem sentido, criando um conflito desnecessário... Ainda não consegui obter o texto integral do discurso de Ratisbona, mas, pelo li, temas como a religião e a ciência, o ecumenismo e a visão actual de Deus e da Igreja pelo Homem, são reflectidos de forma profundissima que merece não perder.. a quem o encontrar...

DRS disse...

Obrigado a ambos pelos comentários.
Quanto ao texto, se o conseguir encontrar, vou colocá-lo no blog, para que o leiam e o julguem de acordo com os seus méritos.