04 novembro 2007

Duas exposições em Lisboa a não perder !


A primeira destas duas a ser inaugurada foi a que está patente na Galeria de Exposições Temporárias do Museu Calouste Gulbenkian desde o dia 28 de Setembro. A exposição intitulada "Os Gregos. Tesouros do Museu Benaki, Atenas" apresenta-nos mais de 150 objectos que ao estarem organizados de forma cronológica nos dão uma visão panorâmica do percurso deste povo, sobretudo em termos de Arte e Cultura, desde o Neolítico (6º milénio a.C.) até à criação do Estado Helénico em 1830. Não se limita, portanto, à Grécia da Antiguidade Clássica oferecendo uma visão mais extensa e completa (ainda que a visita não seja nada exaustiva, percorrendo-se o espaço de uma forma bastante agradável) com bons exemplares representativos de cada período abordado. A Grécia deu à Europa a sua matriz cultural (pelo menos parte substancial dela) em territórios tão vastos quanto a filosofia, a mitologia, o teatro, entre outras expressões artístico-culturais. Boa parceria luso-helénica (mais uma vez uma boa iniciativa cultural pela mão da Fundação Calouste Gulbenkian) a repetir mais vezes certamente e no sentido inverso também! Pode ser visitada até ao dia 6 de Janeiro de 2008.

Uma outra exposição incontornável na actual oferta cultural lisboeta é a que pode ser visitada no espaço da Galeria de Pintura do Rei D. Luís I, na ala norte do Palácio Nacional da Ajuda. Inaugurada a 25 de Outubro, com a presença do presidente russo V. Putin, trouxe até Lisboa cerca de 600 objectos ilustrativos do que foi a Arte e a Cultura no Império Russo durante a dinastia imperial dos Romanov (parte do conjunto de cerca de três milhões de objectos que compõe o acervo do Museu Hermitage).
Organizada, também, de forma cronológica inunda a antiga galeria com arte russa (peso talvez excessivo de pintura, retratos em particular) que nos revela os rostos imperais desde Pedro, o Grande, passando por Catarina II, até Nicolau II. Muita pintura (em muito boas condições de conservação) mas não só... escultura, gravura, ourivesaria, mobiliário entre outras artes decorativas e até instrumentos ligados à ciência e técnica podem ser vistos e fruidos por todos (aqueles que quiserem e puderem pagar 6 €, pouco mais do que um bilhete de cinema vendo bem...) até 17 de Fevereiro de 2008. Esta exposição faz parte de um protocolo do Ministério da Cultura com o museu de São Petersburgo, envolvendo mais duas exposições (2008 e 2009) e a esperada instalação de um pólo em Lisboa daquela instituição museológica em 2010. Parece que desta vez o Ministério da Cultura está de parabéns...Boa iniciativa (é a maior exibição organizada pelo Hermitage no exterior) que vem enriquecer a vida cultural da cidade e do país e que nos deve encher de satisfação e orgulho.
Aproveito o facto do local escolhido ter sido o Palácio Nacional da Ajuda para relembrar a todos, muito particularmente ao Ministério da Cultura (que ainda para mais tem sede naquele edifício), a necessidade de requalificação do palácio em causa, em concreto a ala inacabada do lado da Calçada da Ajuda (poente), e toda a área envolvente. Pelas vicissitudes da História o projecto palaciano para a Ajuda ficou por concluir. Como tal não será certamente nenhuma fatalidade já é mais do que tempo para serem abandonados os lamentos, os esquecimentos e passar-se à acção (há projectos e tudo!).



5 comentários:

marcela disse...

Pense que escribirias algo sobre Sarkozy. No, please, no es una sugerencia, lo digo porque como lo defendias...

Aca en Madrid hay dos exposiciones (bueno, esta el Prado, pero ni muerta voy ahora) Una es la Mostra Portuguesa. Y la otra sobre los Etruscos.

André SD disse...

Marcela quando fazes referência à "Mostra Portuguesa" estás a falar da exposição da Paula Rego no Museu Rainha Sofia? Ou haverá alguma outra mostra portuguesa que por acaso desconheça?

Quanto ao Sarko logo se verá...

marcela disse...

Pos no, y ya termino (creo, si es que hoy es 7 de noviembre, yo mentalmente estoy en febrero del 2004)

PLEASE, NO MAS SARKO... Me sale hasta en la sopa

Pedro BH disse...

Caro ASD

Segui o conselho e fui hoje ver a exposição «Os Gregos» na FCG.
Gostei muito. É uma exposição pequena mas com peças muito interessantes e raras.
Bem documentada e muito bem apresentada.

André SD disse...

E fez muito bem o meu caro amigo Pedro BH. Devo ir lá novamente! A Grécia é um vício! Ou melhor, um prazer imenso.