18 junho 2007

Ainda o aeroporto...

Continua a ouvir-se falar da localização do aeroporto como centro deste debate. Passámos a estar perante um governo disponível e aberto ao diálogo nesta matéria. Afinal a Ota pode não ser a melhor solução... Espero sinceramente que a aceitação do estudo sobre a localização em Alcochete não seja uma manobra de diversão do governo para se revelar dialogante e não dogmático na questão da localização e passados os ditos seis meses decidir pela Ota, sem um debate sério baseado em estudos comparativos rigorosos. E espero também que o estudo "Alcochete" aborde a questão em termos da tipologia aeroportuária mais adequada e daí a consequência ter sido o seu posicionamento na região de Alcochete. Se assim for mantenho os votos de felicitação pela realização do estudo pela CIP. Um grupo de empresários tais como Carlos Barbosa, Joe Berardo, Alexandre Patrício Gouveia financiaram este estudo. Garantem não ter quaisquer interesses económicos ou patrimoniais na zona. Se assim for é mais um contributo positivo da sociedade civil para esta discussão, sem lugar a polémicas inúteis e a questões mesquinhas.
Será que passará a estar em cima da mesa e em posição central o tipo de aeroporto que melhor servirá os interesses do país, em concreto da região de Lisboa ( a norte, a sul, a este e a oeste! e a cidade de Lisboa em si já agora!). Interesses estratégicos e relevantes como o ambiente e ordenamento do território, o turismo, a utilização geo-estratégica, entre outros factores que os especialistas apontam mas que de pouco têm servido enquanto elementos determinantes neste debate. A relação entre todos estes aspectos com os custos da obra deve ditar uma decisão mais ponderada e adequada (incluindo naturalmente a localização).
A decisão política deve ser suportada por argumentos de ordem técnica. Penso que todos concordarão. Concordará o governo? Será essa a realidade futura? Lets wait and see... (o jamais já passou a peut-être por isso...)

11 comentários:

André SD disse...

Estou a comentar o meu próprio "post" mas só para acrescentar que me lembrei que Berardo é o dono da Quinta da Bacalhôa em Azeitão (margem sul!) Estará relacionado este facto com o financiamento do estudo. Acho que só o próprio saberá ao certo. Não quero contribuir para polémicas deste género como referi. Apenas refiro agora este facto.

marcela disse...

JAJAJAJAJAJAJA!!! eso no lo habia visto, que alguien comente su propio post.

Les recomiendo que miren algunos periódicos chilenos, porque tenemos uno de los aeropuertos mas seguros del continente, así pueden sacar ideas para su nuevo aeropuerto :)

Pedro BH disse...

Cara Marcela.
Agradeço a recomendação, mas não tenho a intenção de participar no desenho, projecção ou construção do novo aeroporto internacional de Lisboa.

marcela disse...

Caro Pedro

Mientras no se les ocurra encargarles la construcción del aeropuerto (que lo van a construir igual) a algún español no te preocupes. Porque ya el asunto es polémico, y que más encima se lo dejen a esos inútiles sería de lo peor. Estoy convencida que tú harías mucho mejor trabajo que esa gente, que no tiene ni idea qué es construir algo que valga la pena. Las nuevas estaciones de metro son lo peor que he visto, insoportables.

RM disse...

Cara Marcela,

Como em tudo e em todo o lado, há bom, mau e assim-assim. Temos, em Portugal, muito bons arquitectos, engenheiros e construtores capazes de fazer do novo aeroporto de Lisboa uma excelente obra. Mas também os há em Espanha e em muitos outros países. Provavelmente no Chile também... mas desconheço.

Que a cara Marcela só veja no aeroporto do Chile um exemplo a seguir, está no seu direito. Mas exclamar que em Espanha não se produz boa arquitectura, engenharia ou obra pública, parece-me demasiado absurdo para não lhe chamar outra coisa.

Dada a importância da obra em questão, será lançado um concurso internacional (provavelmente por convite) e pode acontecer de facto ganhar um espanhol... e se assim for, é porque o juri decidiu ser a melhor proposta. Ou também duvida das qualidades de um juri que preside a um concurso deste tipo?

Sugiro-lhe que use os seus ressentimentos contra os espanhois em temas onde eles façam mais sentido... ainda nem sítio há para construir o aeroporto, quanto mais autor, projecto ou empreitada!

marcela disse...

RM, ¿ud sabe lo cuestionado que fue la T4? Digame ¿en que cerebro racional cabe hacer una terminal donde los aviones pasen por encima de una zona habitada? Teniendo otras alternativas, se decantaron por la mas barata. Eso, señor, significa que no planificaron nada. Ahora quieren agrandarlo. ¿Hacia donde? Tendran que expropiar. Y habra problemas que se habrian ahorrado de usar la cabeza.

No alabo al de Santiago porque sea el de mi pais, no tengo ese nacionalismo. Simplemente digo lo que salio en una informacion, que es uno de los mas seguros. Cosa que no se puede decir de Barajas. Y el Pudahuel es uno de los mas seguros precisamente porque no hay casas en un radio lo suficientemente amplio.

No sea tan inocente. No siempre gana la mejor propuesta, sino la mas barata. Y repito: ojala que no sea una empresa española la que se adjudique la construccion. Los chilenos tuvimos muchos problemas con las carreteras, demandas incluidas. Y deberia viajar mas en el metro, sobre todo por la linea 4 desde el metro Colombia. Es un absurdo. Y no me quejo yo, se queja todo el mundo de cómo esta hecha en la zona de los tuneles. Y no es la única linea con ese problema.

No siento el menor resentimiento contra los españoles por ningun motivo, le dejo a su imaginacion inventar alguno. Simplemente he comprobado, en los dos años aqui, que no saben construir. Estan cometiendo todos y cada uno de los errores que se cometieron en Santiago, y como ya se como termina esa historia puedo opinar con mayor confianza que ud. Se que hay buenos arquitectos en España, pero al menos en lo que se refiere a aeropuerto y metro no.

RM disse...

Cara Marcela,

A sua última frase deste último comentário bastaria! Resuma, pois, ao aeroporto e ao metro as críticas que faz à construção/arquitectura/engenharia espanhola... mas não as generalize de forma abusiva e absurda com frases do estilo "esa gente, no tiene ni idea qué es construir algo que valga la pena".

Quanto à sua afirmação de posse sobre a maior confiança em opinar sobre esta matéria: ...

marcela disse...

Si ud tiene alguna relacion positiva con constructores españoles, bien por ud RM. Pero no se altere por mis comentarios adversos a los constructores españoles por eso. A fin de cuentas, no es solo mi opinion, deberia leer mas los periodicos y leer opiniones de los españoles.

Anónimo disse...

É efectivamente esse o caso, cara Marcela. Sou arquitecto e trabalho numa das maiores empresas de engenheria e arquitectura de espanha, com obras construídas em todo o mundo. O que digo, é baseado na experiencia que tenho, e não naquilo que, no meu desconhecimento, me parece melhor ou pior ou mais bonito ou mais feio... e muito menos baseio a minha opinião, naquilo que dizem ou escrevem os outros!

marcela disse...

Señor anónimo, si ud es constructor si vuelve a entrar ¿podría responderme cuatro dudas que tengo, que me constan?

1.- ¿por que las nuevas estaciones del metro son un laberinto lleno de escaleras? La única estación decente es la de Argüelles, porque el resto son escaleras, escaleras y mas escaleras. Algunas son un peligro para cualquiera que tenga pies y otras no tienen sentido, como unos peldaños que están e la de Lavapies. ¿Cual es la obsesión con las escaleras? Y no me salga con las mecanicas, que estan siempre mal.. A mi no me importa personalmente porque puedo subir y bajar, pero los ancianos no. Lo que me desquicia es ir por pasillos eternos, girar, otro pasillo, girar... Me marea. Ahora que se supone que están arreglando el de Plaza de Castilla, el temor es que la dejen como la de Legazpi, que allí hasta los guardias se pierden. Tardaron tanto en construir la nuevas extensiones de la linea 3 y 4, por ejemplo, que son las que conozco, y la verdad tanto show para lo que resulto... sin contar claro con las maquinitas y por el ingreso, que me desimantan el ticket, y conque la linea 4 es un infierno desde Colombia hasta Pinar de Chamartin. 20 minutos, con reloj en mano, es lo mínimo que me he demorado entre esas estaciones, y solo hay 5.

2.- ¿Por qué la obsesión de construir el aeropuerto donde hay viviendas? Vivía en Vicalvaro, a bastante distancia de la T4, pero desde el segundo que entro en funciones los aviones, en el proceso de descender, tenían que hacerlo por encima de esa zona y podía ver a la gente en los aviones. Un fallo mecánico y el avion habria caido encima del edificio. Y ud no puede negar que la gente que vive al lado estaban ANTES que la T4. ¿Costaba tanto ser previsores y haber puesto en la T1 y las demas un diámetro de no construcción de viviendas, y que AENA buscara otro lugar para la T4?

3.- ¿Por qué las casas que construyen ahora tienen paredes de tela de cebolla? Se escucha TODO. TODO. Durante meses tuve que tragarme las medianoche de los viernes un programa del corazon porque mis vecinos lo veian. Y un compañero vivia en un edificio nuevo donde los ruidos que hacian los vecinos de cuatro pisos mas arriba se escuchaban. Una señora nos grito del edificio del frente por hablar muy alto.

4.- ¿Por que cuando empiezan a construir algo tardan años? En Chile el problema cuando se encargó la ampliacion de la Panamericana fue ese, no cumplieron el plazo. Y por favor, que no estoy hablando de abrir hoyos en la tierra. Y aca llevan no se cuanto tiempo en Sol. Mas encima, la calle del Arenal la hicieron mal, porque a las dos semanas las lozas se estaban saliendo. Lo se porque una amiga se cayo. Iba con zapatillas.

Señor anónimo, hay muy buenos arquitectos y constructores españoles, pero las ultimas cosas que los madrileños usan (casa, aeropuerto, metro) no valen lo que se ha gastado.

RM disse...

Cara Marcelra, esqueci-me de preencher o campo do nome, no comentário anterior, e por isso apareceu anónimo em vez de RM.

Responder-lhe-ei então às suas questões mas abstenho-me de concretizar os exemplos que apresenta porque só estive em Madrid duas vezes, de fugida, e por isso não sei ao que se refere.

1. A construção de uma rede de metro é, provavelmente, das obras de engenharia mais dificeis que se podem fazer, a par das pontes. Tem noção do que é construir tuneis debaixo de estradas, de casas, de terrenos mais ou menos sólidos, de infinitas redes de infraestruturas (águas, gás, esgotos...)? Tem noção do que é rasgar uma cidade toda por debaixo do solo sem afectar o que se passa à superfície? As variantes envolvidas numa obra destas são imensas e por vezes muito complicadas de gerir e de compatibilizar, o que provoca que em certos casos se tenham que fazer os tuneis mais profundos e as bocas de saída mais afastadas, sendo necessário para isso mais escadas e corredores. Não duvide que quando mais perto da superficie se pudesse fazer o metro, se faria, mas nem sempre isso é possível. Não se enterra mais o metro só pelo prazer de construir escadas! Isso é um disparate!

2. Todos os aeroportos têm previstos uma faixa de terreno em torno da pista onde é proibido qualquer espécie de edificação. Essa dimensão varia consoante a legislação do país mas garante sempre condições de segurança para os residentes mais proximos do aeroporto. Talvez a si lhe pareça que o aeroporto está em cima das casas mas se cumpre a lei, acredite que não está!

3. O material a que se refere na construção actual chama-se PLADUR e é um material que tem sofrido incríveis progressos no que respeita, justamente, ao isolamento térmico e acústico. Hoje em dia, é possível construir um apartamento com paredes interiores de pladur em que sejam garantidas, a 100%, condições de insonorização e isolamento térmico, usando para isso os devidos isolantes. O recurso recorrente ao pladur deve-se sobretudo ao baixo custo. Claro que, como deve calcular, a especulação imobiliária provoca variadas vezes reduções no custo da construção para se obter mais lucro. Isso conduz a que nem sempre as casas se fazem como devem mas isso não é culpa do material em si.

4. Os motivos para o atraso de uma obra podem ser infinitos: desde falhas de projecto, a condições climatéricas adversas, a surpresas na escavação, etc... As coisas para serem bem feitas, demoram o seu tempo. É que, como diz o ditado: "depressa e bem, não há quem!" E as pessoas, em geral, gostam muito de reclamar do tempo que as obras demoram e exigir que demorem menos para depois poderem reclamar dos defeitos da obra dizendo que se fez a correr... não é cara Marcela?