17 julho 2007

Eleições em Lisboa

O Povo de Lisboa falou. Não foram muitos, mas tal não retira importância ao acto ou legitimidade aos eleitos.

O PS ganhou, não que considere uma vitória histórica, mas ganhou e por isso está de parabéns.

Estão ainda de parabéns os “supostos” independentes Carmona e Roseta. O primeiro conseguiu a proeza de ficar em segundo lugar, a segunda a de ficar à frente das restantes forças de esquerda.

PC e Bloco resistiram, PSD e CDS foi a desgraça total.

Quanto ao CDS, a não eleição de Telmo Correia era expectável. O CDS tem sistematicamente descido em Lisboa. Dos 7% de Portas em 2001, passou para os 5,7% de Zézinha em 2005 e acabou nos 3,7 de Telmo. O CDS foi um dos grandes prejudicados com o fenómeno dos independentes e a dispersão de votos.

No que respeita ao PSD, este foi o pior resultado de sempre. 15% e atrás de Carmona Rodrigues. Pior era impossível.
Está agora à vista de todos o resultado da acção de Marques Mendes e Paula Teixeira da Cruz em Lisboa.
Está agora à vista de todos o que acontece quando se tenta governar os Paços do Concelho a partir da S. Caetano à Lapa, quando a oposição ao executivo camarário vem da própria distrital, quando se põe e dispõe de lugares eleitos em função de jogos partidários. A derrota de Lisboa tem 2 rostos sociais-democratas: Marques Mendes e Paula Teixeira da Cruz. A Fernando Negrão reconheça-se a coragem de dar a cara para resolver os problemas que outros criaram, quando mais ninguém quis esta missão de sacrifício.
O PSD, pós eleições de Lisboa, não poderá voltar a ser o mesmo, sob pena de em 2009 o cenário se repetir. E para histórias dramáticas, já bastou esta.

4 comentários:

Pedro BH disse...

É interessante a sua opinião sobre os factos.
Se bem me lembro, há uns meses atrás defendia a queda de Carmona, ou será que estou enganado?
A oposição começa a partir da Distrital do PSD? Mas afinal, a que Distrital pertence o meu caro Rodrigo?

Rodrigo MG disse...

Bom vamos por partes então.

A queda da CML era inevitável face ao caminho percorrido, e pq como eu disse em tempos, Carmona nunca se impôs e sujeitou-se aos diktats partidários de MM e PTC. Tivesse tido CR outra atitude e se calhar ainda hoje era presidente da Câmara.

Quanto à Distrital. É uma das grandes responsáveis sem dúvida. Mas não foi eleita com o meu voto. Caso não saiba, eu apoiei publicamente a candidatura que perdeu (por pouco) de Carlos Carreiras. Eu não pertenço à comissão política distrital, não a apoiei, não a apoio e não me revejo nela!

Pedro BH disse...

A sua posição face à Distrital de Lisboa do PSD é absolutamente legítima. Como militante deverá votar e apoiar quem bem entender.
O PSD é um partido democrático, portanto todos têm voz.

O que eu acho inacreditável é a mudança continuada de posições políticas consoante o vento sopra de N ou S. Se há 5 meses todos pediam a cabeça de Carmona, Mendistas,santanistas, barrosistas e o Diabo, agora, e durante a campanha, muitos resolveram apoiar Carmona. Não por acreditarem no seu projecto, mas sim porque isso, mais uma vez, lhes convinha.
Basta de hipocrisia!
Em política a defesa dos interesses de cada grupo é legítima, mas nada se consegue sem coêrencia e honestidade intelectual!

RM disse...

... pelos vistos, 15% ainda se conseguem...