03 maio 2007

Lá vai Lisboa...


As declarações esta noite do Presidente da CML Prof. Carmona Rodrigues de que fica à frente da edilidade são a todos os níveis surpreendentes. Fui um apoiante da candidatura de Carmona Rodrigues à capital. Ao contrário de parte dos meus amigos mais politizados, sempre defendi a inclusão de independentes nas listas e a sua condução e nomeção para cargos públicos. Carmona Rodrigues era um independente, professor universitário, que havia sido vereador na CML ao tempo de Santana Lopes e posteriormente Ministro das Obras Públicas do governo Barroso. Figura simpática e cordial, fora dos meios político-partidários granjeou a simpatia de grande parte dos militantes do PSD e mais tarde dos lisboetas, que lhe concederam uma vitória eleitoral inédita até então para o partido. A sua vida política nos últimos tres anos tem sido, contudo, marcada por imensos conflitos e contrariedades.
Depois da demissão de Durão Barroso, Carmona Rodrigues volta à CML, ocupando o cargo deixado vago por Pedro Santana Lopes. A oposição contestou mas nada conseguiu. Carmona tornou-se Presidente e nada o demoveu, nem mesmo a queda de Santana Lopes e o seu desejo de regressar à CML. Carmona não saiu e eu considerei, na altura, a posição justa. Não só porque havia assumido a responsabilidade dos destinos da edilidade quando lhe foi pedido e os havia conduzido a bom porto, como, na minha lógica, não fazia qualquer sentido que Santana Lopes voltasse à CML.
A oposição interna a Carmona, leia-se PSD próximo a Santana, considerou o gesto uma traição! Criticou, contestou, difamou, intrigou...Ao chegar à data de novas eleições autárquicas, Marques Mendes, então eleito líder do PSD, talvez como retaliação a Santana e santanistas resolve apoiar a candidatura de Carmona Rodrigues à capital. Nova contestação, novas críticas, novas difamações, novas intrigas...E, para surpresa de todos, santanistas, mendistas, socialistas, comunistas e outros que tais, Carmona vence as eleições em Lisboa com um resultado inédito para o PSD na capital. Sozinho e independente!
Passam-se dois anos, mas as intrigas de corredor não terminam. O PSD não gosta de independentes e não gosta de Mendes. Carmona não gosta que o macem, não gosta muito do PSD e não acha graça a Mendes. Mendes por sua vez não gosta de parte do PSD, aquela que não gosta de Mendes e começa a não gostar de Carmona. Carmona está entalado entre o PSD que não gosta de Mendes e que não gosta dele por ser o candidato de Mendes, e entre Mendes e aqueles que o querem segurar no PSD. À cabeça destes está nada mais nada menos que a sua Presidente da Assembleia Municipal e Presidente do PSD Lisboa, Paula Teixeira da Cruz.
Entretanto aparecem imensas noticias nos jornais. Há intrigas e há corrupção em todo o lado. Todos querem dar cabo da CML e de Carmona. Mendistas, Santanistas, Teixeiristas e a guerra civil instala-se.
Dois vereadores, entre eles o vice-presidente da autarquia, são indiciados por crimes de corrupção. Suspendem os seus mandatos e aguardam que a justiça actue.
Entretanto também Carmona acaba arguido no processo BragaParques.
Quando todos os partidos se preparam para eleições e a oposição interna afia facas para a proxima batalha, eis que Carmona diz EU FICO!
E estas hem??
Para independente acusado de fraco e de negligente, parece que o Prof. é mais teso do que parecia! O discurso não podia ser melhor. Entalou todos. O PS e o PP provavelmene agradecem, pois eleições agora em Lisboa não davam muito jeito...Os santanistas ficaram certamente surpreendidos, mas agradados pela machadada que isso representa em Mendes. Só falta saber o que vão fazer com Carmona nas mãos...
Por último Carmona com a sua decisão desautoriza publicamente o líder do PSD assinando com isso a sentença de morte do líder que ontem lhe retirou o apoio. Cá se fazem, cá se pagam....
Independentemente do resultado de tudo isto, Carmona assume o comando do navio de forma inesperada para a política portuguesa
Para independente não está mal....

11 comentários:

RM disse...

Caro PBH,

O seu post é extraordinario... nao me diga que também pôs uma cara de vítima e puxou uma lágrima quando o escreveu... hein?

As voltas que foi dar e as pessoas todas em que se viu forçado a falar para desculpar e defender o Sr. Carmona Rodrigues. É que é surpreendente a sua habilidade para desviar a atençao que somente devia recair na atitude imoral do actual presidente da Câmara Municipal de Lisboa, para a dispersar por todos os lados até que assente bem nalgum. E no meio de um texto com mais de 600 palavras só há 6 que realmente importam: "Carmona acaba arguido no processo BragaParques."

Repito: CARMONA ACABA ARGUIDO NO PROCESSO BRAGAPARQUES!

Efectivamente, caro PBH, o Sr. Carmona Rodrigues foi constituido arguido num processo de CORRUPÇAO que envolve dirigentes sociais-democratas da CML há meses e que já sacrificou vários deles. E a si, a única coisa que lhe parece relevante, é a eventual "coragem" de dito senhor que, desafiando tudo e todos, incluindo aqueles que o elegeram (pode ser independente mas foi o apoio de Marques Mendes e do PSD que o elegeu, nao se esqueça... ele nao chegou lá sozinho como sugere no seu post) e por um apego ao poder que há muito nao se via, insiste em se manter em funçoes.

O que está em causa nesta trama toda, nao é a possível "coragem" do Sr. Carmona Rodrigues, imagem disfarçada de quem está, com unhas e dentes, agarrado ao poder de uma forma que já ninguém considera aceitável (apenas o caro PBH vê nisso motivo de orgulho). O que está em causa é precisamente a sua falta de respeito para com a cidade de Lisboa e para com os lisboetas, os que o elegeram e os outros que nunca o quiseram lá! O que está em causa é o Sr. Carmona Rodrigues pôr os seus interesses e ganância pessoais à frente dos interesses públicos e do município! O que está em causa é o Sr. Carmona Rodrigues poder vir a ser acusado de corrupçao por actos que praticou ou permitiu enquanto presidente da CML e mesmo assim achar-se com legitimidade moral para continuar à frente da referida Câmara, mesmo quando todos os que o apoiaram lhe retiram o apoio! O que está em causa é aquilo que o Sr. Carmona Rodrigues revela, com esta atitude, totalmente surpreendente face à pessoa que muitos apoiaram e outros tantos elegeram: deixou de ser a figura "simpática e cordial" para se tornar num homem sem carácter, egoísta, oportunista, falso mártir, irresponsável e desonesto! Ou nao é isso que se chama a quem, na política, coloca os interesses pessoais à frente dos interesses dos cidadaos? Ou o caro PBH ainda tem palavras para argumentar que o Sr. Carmona Rodrigues está a pensar no bem da cidade de Lisboa e dos lisboetas quando decidde manter-se em funçoes apesar de todos os pesares???

Chicão disse...

Estou estufacto PBH! Não te fazia tão "cego"...!

PBH disse...

Caro RM

Deixo os adjectivos com os quais classifica o Prof. Carmona Rodrigues para si mesmo.

O meu caro confunde justiça, processos judiciais e o facto de alguém ser arguido num processo, com culpa formal.
Está enganado!

Até que se prove o contrário o Prof. Carmona Rodrigues é INOCENTE.

Devo informá-lo de que a prática seguida pelo seu partido, e que afinal tanto contesta é exactamete aquela que está a ser aplicada e defendida por Carmona Rodrigues, isto é,só se abandona um cargo público se se provar as acusações de que algum dirigente é alvo. O Partido Socialista segue essa regra há muitos anos sem que ninguém conteste.

Que está cego é voce e o seu colega socialista Chicão, que À força de quererem tanto condenar os arguidos os insultam e condenam antes mesmo da justiça o fazer.

Sim. Gostei imenso do Discurso de ontem à noite. Achei de facto muito bom e de muita coragem política. Um homem que não pertecem a uma estrutura partidária e que é apunhalado por todas as frentes, inclusivé aquela que sempre o apoiou, conseguiu maner a dignidade e ainda entalou toda a gente, acabando de vez com um líder fraco e mesquinho que tem presidido aos destinos do PSD nos últimos dois anos. è de Mestre meu caro RM, goste ou não goste. A Política portuguesa está cheia de corrupção e de gente menor. O discurso de ontem, foi o de um homem Maior. Pode não ter qualquer competencia ao nível político, pode até nem ter sido um bom presidente de camara, mas falou alto e falou bem!
O mais provável é que venha a cair, mas eu, pessoalmente até gostava que isso não acontecesse, e se se recandidatasse lhe garanto que votaria nele.
Em quem eu não votarei seguramente é nos politicozecos de secretaria que mais uma vez fazem tudo por tudo para conseguir os seus objectivos...Sejam eles do PSD, do PS ou outros que tais. Estou cansado e e acredito que o Prof. Carmona tb.

RM disse...

Caro PBH,

Eu continuo estupfacto com as suas opiniões... mas o que me parece mais grave é que está de tal maneira equivocado que chega a ser perturbador. E ainda por cima contradiz-se! Ora vejamos:

1º EQUÍVOCO: ninguém, neste blog, até à data, afirmou ou sugeriu que o Sr. Carmona Rodrigues é culpado no processo para o qual foi indiciado. NINGUÉM! O que eu disse foi que, pelo facto de ter sido constituído arguido, pode vir a ser acusado! Mas também pode não acontecer. Em todo o caso, há suspeitas que recaiem sobre ele e não me peça para lhe defenir o vocábulo "arguido" nos termos da justiça portuguesa!

2º EQUÍVOCO: as práticas daquele a que o senhor chama de meu partido não são para aqui chamadas... uma vez mais, tenta distanciar-se do fulcro da questão para distribuir a culpa por todos os lados e ilibar aquele que é SUSPEITO; em todo o caso, recordo-lhe o exemplo de Paulo Pedroso como negação da afirmação falaciosa que fez!

3º EQUÍVOCO: diz que "a política portuguesa está cheia de corrupção e de gente menor. O discurso de ontem, foi o de um homem Maior"... eu lamento ter que lhe recordar mas esse homem que o caro PBH diz ser maior, foi CONSTITUÍDO ARGUIDO NUM PROCESSO DE CORRUPÇÃO!!! Acha que isso não significa nada? Acha que isso deve passar ao lado como se nada tivesse acontecido? Acha que a reputação, o carácter, a dignididade e a legitimidade do Sr. Carmona Rodrigues permanecem intocáveis e imaculados depois de ter sido CONSTITUÍDO ARGUIDO NUM PROCESSO DE CORRUPÇÃO??? Tenha noção...

4º EQUÍVOCO: vem usar este caso, que diz respeito à PESSOA do Sr. Carmona Rodrigues e aos seus actos, EVENTUALMENTE menos lícitos, como presidente da Câmara, para descarregar as suas frustrações e desilusões com o PSD e o seu líder... guarde isso para si.

5º EQUÍVOCO: o "politicozeco" que tudo faz para se manter agarrado ao poder é justamente o Sr. Carmona Rodrigues. Eu pergunto-lhe novamente porque não me respondeu: acha mesmo que é no interesse da cidade de Lisboa e dos lisboetas que esse senhor decidiu manter-se em funções arruinada que está por completo a confiança dos que o elegeram e apoiaram???


"Todo o equívoco humano é satirizável. Enquanto houver seres humanos com carências, inseguranças e dúvidas, haverá sátira" (de Ziraldo)

Dardo do Reino disse...

Só falta dizer que o Major Valentim, o Honesto Isaltino e a Fatinha de Felgueiras...que estão todos na mesma situação que Carmona "a vítima"....São uns corajosos democratas que fogem aos vilões totalitários dos partidos...
Oh PBH!! Você é que devia escrever os discursos do Carmona, ele há coisas que nem o futuro ex-presidente se lembraria de dizer!

PBH disse...

Caro RM

1º EQUIVOCO: O meu caro sugeriu muita coisa no seu primeiro comentário, nomeadamente que o Prof. Carmona Rodrigues é:homem sem carácter, egoísta, oportunista, falso mártir, irresponsável, desonesto, interesseiro e ganancioso.
Os adjectivos são seus, e são, na minha modesta opinião, lamentáveis.
O adjectivo mais simpático que lhe dirigiu foi o unico verdadeiro: «Arguido» . Esdquece-se contudo, mais uma vez, que arguido não significa culpado.
Espero dentro de pouco tempo, depois do resultado deste inquérito, lembrar-lhe isso mesmo!

2ºEQUIVOCO: As práticas dos diversos partidos políticos são para aqui chamados naturalmente. É a partir deles que conseguimos criar modelos e manter uma posição razoál, qual jurisprudência politica, indespensável ao bom funcionamento da democracia.
No caso de Paulo Pedroso, ninguém o demitiu de nenhum lugar dirigente. Infelizemente, esse senhor foi preso em plena Assembleia da República numa acção inédita da polícia e que culminou com a sua prisão preventiva decretada por um juiz.
As duas situações não são semelhantes.

3º EQUIVOCO: Mais uma vez insiste em confundir arguidos com culpados. Pela leis gerais da Nação Portuguesa qualquer pessoa é INOCENTE até prova em contrário. O Prof. Carmona Rodrigues nada mais está a fazer que a defender o seu bom nome e o seu direito à justiça. De nada, sobre essa matéria, pode ser acusado.
O meu caro RM tem uma grande visão justiceira, mas tem pouca visão politica.
Este é um processo politico, mais que judicial.

4º EQUIVOCO: Ao contrário de si, eu não sou militante de partido nenhum. A minha desilusão e frustração, como cidadão, não é com o PSD ou o seu líder, mas sim com a política e com os politicos medíocres que nos governam.

5º EQUIVOCO: O Prof. Carmona Rodrigues não é um políticozeco, infelizmente o que lhe falta mesmo é uma visão política da realidade. Se a tivesse não teria cometido tais erros.
Acredito que a decisão que tomou não é por uma questão de sede de poder mas sim por uma questão de dignidade.
Seria bom, que os portugueses, e a politica portuguesa, se livrasse de vez da chincana e da justiça popularucha feita nas ruas, nas opiniões de café e nos jornais. è precisamente isso que destrói o sistema democrático. Sobre isso não tenha dúvida. O que Carmona Rodrigues está a fazer é perfeitamente legítimo e considero a sua posição honrada!
Quanto à confiança daqueles que o apoiaram não posso falar. Pela parte que me toca, visto que votei nele, posso garantir-lhe que voltaria a votar nele para a CML, o que infelizmente não vai acontecer.

Não tenha dúvida de que tudo isto é fruto de golpes baixos de politica de secretaria. Mas o tempo é amigo da verdade, e nós cá estaremos para ver.

6º EQUIVOCO:«castigat ridendo moris» é uma velha técnica. Nem por isso é menos injusta!(de PBH)

RM disse...

Caro PBH,

Começo a desconfiar que as opiniões que traduz em comentários já não são por mera cegueira ou ingenuidade... mas vou abster-me de dar a minha teoria. Falemos do que interessa: os seus equívocos! (e repare que já lhe acrescentou mais um!)

E venha o 1º: a opinião que eu tenho do Sr. Carmona Rodrigues, e que foi expressa nesse conjunto de adjectivos a que o caro PBH decidiu agregar outros tantos (provavelmente num lapsus linguae que traduz a sua própria ideia do senhor...) vem do tempo em que ele andou em campanha e naturalmente que se reforçou agora, com esta atitude de não abandonar o poder, mesmo quando recaiem sobre ele suspeitas de poder estar envolvido num processo de corrupção. Repare, os nomes que lhe chamo não resultam do facto de eu pensar que ele é culpado, mas da atitude de total ganância pelo poder que, aliás e como bem sabe, TODOS têm criticado... e por TODOS não me refiro ao reduzido quorum deste blog! Portanto, desista duma vez por todas do equívoco de pensar que eu estou a considerar o senhor culpado, embora o facto de ter sido constituído arguido o torne pelo menos envolvido no processo, e isso já é alguma coisa, ainda que o caro PBH tente ignorar. Porque se eu o considerasse culpado, tinha escrito uma lista ainda maior de nomes como, por exemplo, ladrão. "Um, dois três, diga lá outra vez!"

Quanto à visão que eu tenho, agradeço a sua preocupação, mas devo dizer-lhe que está francamente boa. Faço testes regularmente e ainda não precisei de usar óculos! A mim parece-me é que a visão do PBH é que está um pouco desfocada... então o facto do Sr. Carmona Rodrigues ser constituído arguido num processo de corrupção e ter sido ouvido durante mais de 5 horas no Departamento de Investigação e Ação Penal não é um processo judicial mas antes um processo político? Olhe, caro PBH, que se tente enganar ou iludir a si mesmo, está no seu direito, mas não ofenda a inteligência daqueles que o lêem.

Eu nao estou, nem nunca estive, filiado em NENHUM partido político! E o caro PBH não me conhece de lado algum para o afirmar com tanta certeza (e tanto erro) nem sequer para sugerir saber com que ideologia política eu me identifico! Assim que quanto a este novo equívoco (já lhes perdi a conta) espero que se tenha esclarecido.

Portanto, se bem entendi, o caro PBH considera que a atitude do Sr. Carmona Rodrigues, de se manter em funções, é uma atitude honrada e de defesa da dignidade mas... que honra e que dignidade? A pessoal? Então ele não devia defender os interesses da cidade de Lisboa e dos lisboetas? Caro PBH...

Vamos naturalmente esperar para ver o resultado deste processo e tomara que a sua fé nao seja abalada...

Por fim, não sei se pretendeu fazer sua a expressão de Moliére, mas eu deixo-lhe outra: "Um povo pouco informado acredita no primeiro demagogo que aparece e, por cegueira ou por carência, segue o caminho de seu próprio infortúnio" (de Lya Luft)

PBH disse...

Caro RM

Todos os adjectivos que mencionei foram transcritos do seu texto, mas, como lhe disse no inicio destes comentário, deixo para si mesmo essas considerações e adjectivações.

Estou convicto de que todo este processo é político, mais do que judicial. Não esqueci, contudo, que o Prof. Carmona Rodrigues é arguido num proceso judicial.
O tempo falará por si. Pela política e também pela justiça.

Sobre o primeiro posso prever alguns cenários, sobre o segundo, estou seguro de que o Prof. Carmona Rodrigues não será condenado por crime algum.

Tente ter uma visão mais política da política e menos judiciosa da justiça.

.....

RM disse...

Caro PBH,

Considera, por acaso, que pôr as mãos no fogo por um político, como acaba de fazer neste seu último comentário, é ter uma visão "mais política da política" ou "menos judiciosa da justiça"? Ou aquilo que reclama para mim também o caro PBH não tem?

O PBH revela uma série de convicções e crenças num politico que acaba de ser constituído arguido num processo de corrupção e acha que ter essa atitude tão peremptória e com risco de estar gravemente equivocado e de ter que retirar tudo o que disse, faz de si uma pessoa com uma visão política mais alargada???

Use os seus conselhos consigo mesmo ou pelo menos pense antes de os dar a quem não lhos pediu.

PBH disse...

Caro RM

O que o meu caro comentador ainda não compreendeu é que me interessa mais o caso «político» que o caso «judicial» em curso. Essa é a razão de ser deste post.

Sobre o caso judicial, aguardemos o resultado do processo. Sobre a questão política vamos acompanhando a situação.

A minha surpresa relativamente ao discurso, e defesa do Prof. Carmona Rodrigues, é sobretudo de índole política.

É por isso que apelo à sua visão política do problema.

RM disse...

Mas a questão é exactamente essa: está a tentar separar duas visões do mesmo problema que não podem ser separadas! O facto do político Carmona Rodrigues ter sido constituído arguido num processo crime afecta, inevitavelmente, a sua posição política e o seu carácter pessoal, independentemente de vir a ser acusado ou não. Que a si não lhe agrade o caso judicial eu ainda entendo, mas não tente separá-lo do problema como se ele não estivesse no fulcro da questão. O caso político surgiu como consequência do caso judicial!!! Só estamos a debater a atitude política do Sr. Carmona Rodrigues (de se manter em funções) porque ele foi indiciado num processo de corrupção! Senão a questão nao se levantava. Não entendo porque teima em separar duas questões que nasceram uma da outra só para conseguir engrandecer uma e abafar a outra... CHEGA!